5 Desafios de Recrutamento e Retenção de Talentos no Varejo

5 Desafios de Recrutamento e Retenção de Talentos no Varejo

desafios de recrutamento e retenção de talentos no varejo

Desafios do recrutamento no varejo vão desde atração e retenção, passando por treinamento e engajamento, até questões culturais mais profundas

“Eu não falhei, encontrei 10 mil soluções que não davam certo.” Thomas Edison, empresário e inventor americano

Introdução

São vários os desafios do recrutamento no varejo. Grande parte de empresas do setor são familiares, e quando aparece a necessidade de expandir o quadro de colaboradores, os proprietários nem sempre estão preparados.

Outro fator que muitas vezes complica o recrutamento é a baixa remuneração, pois a maioria das vagas não exige muita qualificação. Com isso, o turnover costuma ser elevado, já que o setor acaba sendo utilizado como uma espécie de quebra-galho para universitários que possivelmente vão pedir desligamento tão logo consigam um estágio ou emprego em sua área de atuação, e os profissionais que estão ali sem perspectiva de cursar uma faculdade costumam trocar de emprego por conta de um salário ligeiramente mais alto. 

Nesse artigo, eu vou abordar alguns pontos desafiadores para o recrutamento no varejo. Leia até o final e entenda.

Grande parte de empresas do setor são familiares, e quando aparece a necessidade de expandir o quadro de colaboradores, os proprietários nem sempre estão preparados.

1. Retenção de talentos

Segundo dados do antigo Ministério do Trabalho (que hoje está integrado ao Ministério da Economia), a rotatividade no setor varejista é duas vezes maior que a média nacional. Isso ocorre por uma série de fatores, dentre eles a baixa remuneração, a não exigência de qualificação, o que tira uma perspectiva de carreira em longo prazo e a troca constante de empresas, muitas vezes concorrentes, por parte do colaborador.

Por isso, a retenção de talentos acaba sendo um grande desafio para o setor, influenciando negativamente em diversos aspectos, como investimento recorrente em processos seletivos, gastos excessivos com rescisão e curva de aprendizagem dos novos colaboradores. 

2. Treinamento e capacitação

“A alegria que se tem em pensar e aprender faz-nos pensar e aprender ainda mais.” Aristóteles, filósofo grego

Infelizmente, o Brasil ainda não possui uma cultura tão arraigada nesse quesito. Apesar dessa realidade estar em processo de mudança, ainda há um longo caminho pela frente, e o setor varejista não está no início da fila. 

Treinamento e capacitação deveriam ser vistos como prioridade, pois uma equipe bem treinada e capacitada é capaz de entregar resultados muito mais consistentes. 

Seis benefícios de treinamento e capacitação:

  • domínio dos processos
  • diminuição do turnover por falta de adaptação
  • maior engajamento 
  • mais motivação 
  • aumento da produtividade
  • padronização   

Contudo, os modelos tradicionais de treinamento e capacitação já se mostram desgastados, ainda mais com a inserção no mercado dos jovens das gerações millennial e centennial, nativos tecnológicos. Com isso, faz-se necessário utilizar as novas ferramentas, como o e-learning, o mobile learning e o gamification, além de outras metodologias que ajudam a prender a atenção, como o storytelling.  

Segundo dados do antigo Ministério do Trabalho (que hoje está integrado ao Ministério da Economia), a rotatividade no setor varejista é duas vezes maior que a média nacional.

3. Mão de obra jovem

Esse não chega a ser um desafio por si só, mas é frequente ponto de atenção. Como eu disse na introdução do presente artigo, muitos jovens buscam emprego no varejo para se manterem enquanto cursam uma faculdade. Junto com a área de telemarketing, o varejo é o modo mais simples disso acontecer, mas a perspectiva de longo prazo é um novo emprego na área em que se formaram. 

Jovens são motivados, enérgicos e aprendem rápido. Contudo, além do ponto exposto no parágrafo anterior, existe também a dificuldade com a imaturidade e a recorrente irreverência. Com isso, pode ser desafiador manter uma equipe coesa e engajada por muito tempo. 

4. Transformação digital

As novas tecnologias vieram para ficar, mas nesse quesito ainda existe um grande desafio quanto à qualificação profissional. Esse é um desafio-chave na lógica dos desafios do recrutamento no varejo.

Quando os primeiros computadores começaram a tomar conta das empresas, houve grande temor de que houvesse uma onda de desemprego, pois uma máquina pode substituir até dezenas de pessoas. Porém, o pulo do gato está na qualificação e recolocação dos profissionais em um mercado que, ao mesmo tempo que perde diversos postos de trabalho, ganha inúmeros outros.

Um bom exemplo disso são os aplicativos de comida, que envolvem vários profissionais diferentes, não apenas o entregador que leva nosso pedido até a porta de nossa casa. 

O omnichannel é uma tendência cada vez mais inevitável. Hoje não basta estar na loja física. Deve-se estar no e-commerce, no app, na live do artista famoso etc.     

As novas tecnologias vieram para ficar, mas nesse quesito ainda existe um grande desafio quanto à qualificação profissional.

5. Digitalização do recrutamento 

Com um mercado cada vez mais atento às questões envolvendo a cultura ágil, tornou-se imprescindível a utilização de ferramentas que digitalizem os processos seletivos, desde a publicação da vaga, passando pela triagem de currículos, até a gestão do processo em si, em suas diversas etapas. 

Os portais de emprego, também chamados de job boards, foram o primeiro passo nesse sentido. Mas hoje não basta ter acesso a um banco de currículos, para depois ter que executar o processo manualmente. 

Ter filtros que agilizem a triagem, relatórios que apontem caminhos estratégicos e ferramentas de comunicação que centralizem as informações do candidato colocam as empresas que aderem a esse tipo de recurso no mínimo um passo e meio à frente das demais. 

É evidente que pequenas empresas do varejo muitas vezes não possuem recursos necessários para contratar esse tipo de ferramenta, mas é importante que os proprietários dessas empresas contratem consultorias de R&S que já tenham aderido à modalidade. 

Existem talvez milhares de consultorias desse tipo no Brasil, e sem dúvida aquelas que já utilizam uma plataforma de recrutamento digital como a Recrutei estão mais bem preparadas para atender aos desafios elencados nesse artigo. Assim sendo, a solução do quinto desafio acaba contribuindo de alguma forma com a solução dos desafios anteriores, mesmo que indiretamente. 

Plataformas como a da Recrutei, que além das funcionalidades citadas acima, possui uma avaliação comportamental baseada na metodologia DISC, a mais conceituada do mercado, conseguem centralizar todas as informações mais relevantes em um único local, dar agilidade ao processo e mais assertividade nas contratações. 

Se você é um pequeno comerciante varejista e está com os desafios apresentados nesse artigo, clique aqui e solicite uma demonstração da plataforma Recrutei. Em breve, um de nossos especialistas vai te ligar para marcar um horário. 

Se você chegou até aqui, eu só posso te agradecer pelo prestígio de sua atenção!

Um abraço e até a próxima!

Davi Valukas – Business Developer

Já leu nossos e-books? Clique aqui para baixar gratuitamente!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *